O louco vive na alegria.

O neurótico na tristeza.

O louco não para em lugar nenhum.

O neurótico não vai para lugar algum.

A alegria e a tristeza são sentimentos que marcam presença em nós, aumentando ou diminuindo nossa capacidade de pensar, agir e sentir. A gente fica alegre ou triste por diversas razões. Dessas razões surgem motivos para a gente mudar ou passar de um lugar para outro, ou de um mundo para outro dentro de nós. Tudo depende de como somos, agimos, sentimos e pensamos. Por isso são mutantes. Por isso somos loucos ou neuróticos. Por isso somos regidos pelas mudanças em nós. Preciso ser o gestor de mim mesmo.

Não há um processo padrão estabelecido a priori. Não há nada determinado. Não é como uma lógica que diz tudo que vai acontecer. Entra ai um negócio chamado de flexibilidade ou resistência, diferença ou repetição, alegria ou tristeza. Não é interessante que seja como o sol que nasce, o sol que se põe. A alegria e a tristeza não são como o sol ou a lua, o dia ou a noite, a sombra ou a luz.

Quando essas duas irmãs siamesas aparecem dentro de nós, causam um certo desequilíbrio, dependendo de como lidamos com as suas energias. Elas marcam a gente abrindo caminhos, fazendo trilhas e mexendo tudo lá dentro, caso a gente não tenha domínio e controle de quem somos.

Aonde elas podem nos levar?

A alegria para a felicidade e o prazer.

A tristeza para a melancolia e a depressão.

Vejam, podem nos levar a esses mundos. Não da para generalizar nada. Somos únicos com um jeitão de pensar, sentir e agir porque é desse jeito que somos. Cada um de nós tem um jeito especial de ser.

Entretanto, a ação dessas duas operando dentro de nós, altera o nosso mundo sensível.  Por mais estupido que podemos ser, há uma desarmonia em nós causada por elas influenciando tudo lá dentro, alterando a dinâmica interior do nosso EU.

Não adianta negar, esconder, ou mentir porque é uma coisa só nossa, elas poderão nos expor tirando nossas mascaras. São momentos da nossa vida de muita originalidade.

Tem gente que nega, esconde e mente para si, mostrando um eu para si e um outro eu para fora de si. Está pondo o desejo para trabalhar em beneficio delas. Da alegria e da tristeza.

Bom, o que podemos deduzir que essas duas agindo dentro de nós, vai colocando nossos mundos internos para dialogar um com o outro. Dessa conversa interna surgem verdades que pode levar a gente para a chamada vida boa. A gente não para com essas duas funcionando e agindo para nós.

Agora, de momentos de alegria posso ir para a tristeza, ou vice versa. Exemplos: caso eu fique triste por saber de uma doença mais grave de um filho ao leva-lo ao médico, após o tratamento e a retomada da saúde dessa criança, a alegria contagia novamente o lar e a nós familiares. Abre espaços para sensações que vão além da gente, do nosso mundo. De uma ameaça da tristeza (doença), a nossa família foi contagiada novamente pela felicidade e o prazer de sentir a alegria de novo. Da escuridão veio a luz.

Entretanto, se vou a uma festa de formatura de um colega do trabalho juntamente com minha namorada, tudo é alegria e brilho. O prazer da festa e a alegria do formando nos contagiam. HÁ um contentamento generalizado nesse espaço. Todos sentindo a mesma sensação. Na saída da festa recebo a notícia de que houve um assalto e levaram meu carro. Um outro mundo desaba sobre a minha cabeça. Além da tristeza, sinto raiva e ódio pela privação de um bem tão significativo em minha vida. Do brilho da festa, fui lançado a um mundo da sombra e escuridão.

Esses exemplos narrados são apenas suposições, que poderão tornar-se fatos de verdade.

Isso pouco importa.

O que gostaria de refletir um pouco entre nós é o seguinte:

Temos um dispositivo em nosso interior denominado de Livre Arbítrio, se bem usado nos levará sempre para o campo da alegria. Teremos uma vida feliz, alegre, prazerosa e cheia de brilho.

Entretanto, se usado de forma inadequada pode ser um desastre para nossas vidas. Um mundo de tristeza e melancolia pode desabar sobre a nossa vida. Portanto, saber fazer escolhas corretas, decidir sobre o que é melhor para nossas vidas são condições que nos levará para uma vida boa, alegre e feliz.

Viver uma vida simples e boa pode não ser deslumbrante irradiando brilho por onde andamos, mas nos coloca diante da alegria de sempre estar feliz e alegre com aquilo que somos capazes de ser. Saber quem somos é a formula que propomos para condução da vida com bondade para si mesmo. A bondade nos conduz para a alegria de viver.

Autor: Jayr Soares da Silva.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here