Ser… Mais do que alguma coisa
Pouco natural, mais do que algo
Trivial. Ser mais que um tudo,
E mais do que isso um nada.

Ser nesta moderna casa
Tudo o que pedem ou exigem,
Tudo o que cristalizam verdadeiro
E tudo o que queimam como falso.

Ser nesta dança infinita
Uma paragem de momentos.
Ser toda uma vida atirada ao alheio
E toda uma morte atirada ao alheio,
E toda uma vida atirada ao próprio,
E toda uma morte atirada ao próprio.

Ser uma ambiguidade total.
Ser isso e ser o que não se é.

Compartilhar
Leonardo Camargo Ferreira
Estudante em licenciatura de Sociologia na FLUP (Faculdade de Letras da Universidade do Porto). Escritor de poemas, crónicas e artigos acerca de temas filosóficos e do real-social. As suas filiações literárias oscilam entre a filosofia poética de Fernando Pessoa ou Sophia de Mello Breyner e a sociologia de Zygmunt Bauman ou Anthony Giddens. Gera a página "A Realidade do Imaginário" no Facebook e a conta "LCFPoesia" no Instagram, locais online onde publica frequentemente textos que produz

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Insira seu nome aqui