Colaboradores


Leandro Zanon

Coordenador de TI e Psicólogo. Resolveu estudar psicologia porque queria entender melhor a mente das pessoas, e embora tenha se decepcionado um pouco com algumas coisas que apreendeu ainda acredita no poder de amar e evoluir do ser humano. Idealizador do Pensamento Líquido. Apaixonado por filmes de terror, seriados, anime e mangás e livros de aventura. Não dispensa uma boa comida e bebida na companhia de amigos, especialmente se for pra curtir um bom e velho rock n roll. Para saber mais sobre mim… compre um vinho, pegue um ônibus e venha até a minha casa filosofar sobre a vida.

Veja os Post desse autor


Polyana Ferreira

Graduanda em Psicologia pela FSP- Faculdade Sudoeste Paulista, apaixonada por religião e afins, vidrada na saga Star Wars, amante de séries e literatura brasileira. Nas horas vagas toca piano e arranha no violão, além de tentar verse leva algum talento na escrita.

Veja os Post desse autor


Priscila Palumbo

Estudante de Psicologia. 19 primaveras, mas nasceu no verão. O que suas 4 tatuagens não tem de tamanho, tem de significado. Criou seu próprio apelido. Apaixonada pelo real conceito de feminismo. Resolveu escrever uns versos pra melhor amiga e acabou aqui. Tem um diário na mão. E ambições no coração.

Veja os Post desse autor


Quer ser nosso colaborador?

Se você produz artigos, textos, poesias ou cronicas e gostaria de compartilhar com outras pessoas, inscreva-se para se tornar um Colunista do nosso blog. Preencha o formulário abaixo.

 

 

 


No livro “Vida Líquida”, do sociólogo polonês Zygmunt Bauman, somos convidados a enxergar a “liquidez” como a essência máxima do ser contemporâneo. Analisando o caminho da sociedade pós-moderna consumista. Questionando a qualidade da ascensão da sociedade atingida pela capacidade de consumir e não por algo mais sólido, como a educação, mas por coisas banais e descartáveis. Baumam nos leva a refletir sobre como as relações humanas têm se tornado cada vez mais frágeis, comparando-as a mercadorias, que são descartadas quando já não “servem” mais. Nossa sociedade consumista de valores efêmeros, líquidos.

Tomando a perspectiva de mundo líquido no qual vivemos, quero levá-los a pensar de forma líquida também. Mas não na forma pejorativa. Já dizia Bruce Lee… “seja água, meu amigo, pois nada pode detê-la”. O convite para tornar-se água aqui, não é na questão de construção dos valores humanos e consumismo, mas no que diz respeito a nossa posição frente ao mundo e a constante transformação que ele tem sofrido. Não podemos ter pensamentos enraizados e totalmente cristalizados nesse mundo liquido. É necessário nos adaptar, saber moldar nossa forma, assim como faz a água quando colocada em um recipiente. É necessário questionar-se o tempo todo, assim como a água de um rio, estar sempre em constante movimento.

Deixe seu pensamento fluir… seja água… pense de forma líquida meu amigo!