impor limites no relacionamento

Os limites emocionais e físicos saudáveis ​​são a base de relacionamentos saudáveis. Os relacionamentos emaranhados, no entanto, são privados desses limites. Quer se trate de uma relação entre membros da família, amigos, casais ou cônjuges, simplesmente não há limites em relações emaranhadas. A falta de limites dá espaço para comportamentos inadequados que podem causar o término da relação!

As pessoas em relações emaranhadas são mais definidas pelo relacionamento do que pela sua individualidade.

Eles dependem um do outro para atender às suas necessidades emocionais, então eles se sentem bem, inteiros ou saudáveis, mas fazem isso de uma maneira que sacrifica a saúde psicológica. Em outras palavras, seu conceito de si mesmo é definido pela outra pessoa e eles perdem sua individualidade para que suas necessidades sejam atendidas.

Por exemplo, uma relação emaranhada entre uma mãe e uma criança pode parecer assim: A mãe é narcisista, enquanto a criança é co-dependente. A pessoa que vive para dar, A mãe sabe que seu filho é o único que a escuta e a ajuda. O filho tem medo de confrontar sua mãe, e ela explora seus cuidados.

Embora possa parecer impossível, você pode aprender a estabelecer e manter limites pessoais em seu relacionamento. O estabelecimento de limites é uma habilidade.

Sinais de relacionamentos emaranhados

Normalmente, as pessoas em relações emaranhadas dificilmente reconhecem que estão realmente em um relacionamento tóxico. Fazer isso, significa reconhecer seus próprios problemas emocionais, que podem desencadear ansiedade, vergonha e culpa.

No entanto, essa realização é libertadora. É o primeiro passo para fazer mudanças positivas e concentrar sua atenção na construção de relacionamentos saudáveis, incluindo o vivenciado no momento.

É preciso fazer uma análise de “custo-benefício”. Isso ajuda as pessoas a entender que elas têm muito mais a perder, permanecendo em um relacionamento emaranhado, do que fazer mudanças e encontrar relacionamentos saudáveis.

Veja alguns sinais indicativos de relações emaranhadas:

  • Você negligencia outros relacionamentos por causa de uma preocupação ou compulsão de estar em um relacionamento.
  • Sua felicidade ou satisfação é baseada em seu relacionamento.
  • Sua autoestima depende dessa relação.
  • Quando há um conflito ou desentendimento em seu relacionamento, você sente extrema ansiedade ou medo ou uma compulsão para resolver o problema.
  • Quando você não está presente ou não pode falar com eles, um sentimento de solidão permeia sua psique. Sem essa conexão, a solidão aumentará até criar desejos irracionais de se reconectar.
  • Existe uma “conexão emocional simbólica”. Se a outra pessoa está com raiva, ansioso ou deprimido, você também está com raiva, ansioso ou deprimido. Você absorve esses sentimentos e se sente atraído por remediá-los.

Dicas para estabelecer limites

1. Procure ajuda profissional.

Um profissional de saúde mental treinado pode ajudá-lo a entender melhor seu relacionamento e a praticar o estabelecimento de limites saudáveis.

2. Estabeleça pequenos limites.

Comece a praticar limites de configuração, criando pequenos limites em seu relacionamento. Ao afirmar seus limites, evite fazê-lo de forma vergonhosa, acusatória ou julgadora.

Em vez disso, enfatize seu amor sem julgar a pessoa por estar errado e “ofereça algo em troca”. Então, certifique-se de seguir. Desta forma, você ainda responde às suas necessidades e respeita seus próprios limites.

Aqui está um exemplo: sua família quer que você venha para o Natal. Mas esta é a terceira vez consecutiva que você e sua esposa visitam a casa de seus pais, deixando a família dela de lado. Para expressar seu limite, você pode dizer ao seu pai: “Não podemos jantar no Natal com vocês, porque vamos passar um tempo com a família de Sarah, mas gostaríamos de passar ai mais tarde para comer a sobremesa” ou “O ano em que vem, vamos passar o Natal com você “.

Aqui está outro exemplo: uma filha vai para a faculdade e sua mãe espera falar e enviar mensagens de texto várias vezes por dia. Em vez de dizer a sua mãe: “Mãe, você está me sufocando, você precisa parar”, ela diria: “Eu sei que significa muito para você falar comigo e você está fazendo isso porque gosta de mim, mas eu realmente tenho que me concentrar em meus estudos e passar mais tempo com meus amigos na escola. Eu gosto de falar com você, vamos conversar duas vezes por semana. Assim, posso acompanhar todas as coisas que estão acontecendo aqui”.

Estabelecendo limites dessa maneira evita o ciclo negativo de emaranhamento: (ferida narcisista) Dizendo que você se sente preso pelas expectativas dos seus pais apenas desencadearia raiva ou reação agressiva passiva do tipo: “você não me ama”, o que desencadearia sua vergonha e culpa e acabaria deixa-os transpor seus limite.

3. Crie ligações com si mesmo e com os outros.

Pratique ficar sozinho e passar o tempo consigo mesmo. Trabalhe nas partes da sua vida que faça sentir-se mal, carente ou inseguro, e entenda que sua completa felicidade não pode depender apenas exclusivamente de uma única pessoa.

Desenvolva relacionamentos significativos com outras pessoas; ligue para amigos, faça compromissos para comer, vá ao cinema. Realize atividades que lhe façam bem, e que, eventualmente você possa ter deixado de fazer por causa do seu envolvimento excessivo em uma relação.

A vida é muito curta para ser inseguro e temeroso, e amarrado a um relacionamento que só lhe prejudica. Aprenda as habilidades para criar limites emocionais e físicos e considere procurar ajuda profissional. Incentive o aumento de relacionamentos, mas não permita que eles definam quem você é.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Insira seu nome aqui