Como o trabalho de um Psicoterapeuta afeta sua vida pessoal?

0
8
Quando o psicoterapeuta vai para casa, as histórias dos pacientes vão com ele.

Ser psicoterapeuta é um desafio complexo, sem dúvida. Há muitas histórias de luta, dor, trauma, e também amor e recuperações incríveis que são ouvidas durante a prática da profissão.

Quando o psicoterapeuta vai para casa, essas histórias vão com ele. Mas até que ponto?, Como é afetado por este?, Como se traduz em sua vida e a de seus entes queridos?

O que os psicoterapeutas aprendem com seus clientes e como sua vida pessoal e profissional é afetada por eles tem sido uma fonte de interesse nos últimos anos.

Curiosamente, enquanto há uma grande numero de pesquisas sobre como o cliente aprende com o psicoterapeuta, existe pouca literatura sobre o que o terapeuta aprende com seus clientes.

Em um estudo exploratório qualitativo conduzido pelo Dr. Hatcher e seus associados em 2012 foram entrevistados 61 psicólogos de toda a América do Norte com o objetivo de detectar o que psicoterapeutas pode ter aprendido e como eles foram afetados por clientes, tanto pessoalmente e profissionalmente.

Os participantes responderam a nove questões abertas (você pode vê-las acessando o artigo original clicando aqui) sobre a percepção do que tinham aprendido com seus clientes e como isso influenciou as seguintes áreas de sua vida pessoal e profissional: a tomada de decisões éticas, relacionamentos, enfrentamento, lições da vida, coragem, sabedoria, psicopatologia, de personalidade, as diferenças culturais, o desenvolvimento da vida e muito mais.

As respostas foram examinadas detalhadamente, e classificadas tematicamente e por ordem de frequência. Os Terapeutas confessaram ter aprendido muito e expressaram um profundo respeito pela capacidade de resistência e coragem de seus clientes.

Outra investigação publicada na revista Professional Psychology e Practicen em 2000 por Radeke e Mahoney, foi baseada em uma pesquisa realizada com 276 psicólogos divididos em dois grupos (pesquisadores e profissionais). Observou-se que, embora ocorram mudanças nos psicoterapeutas, não está claro se essas mudanças são as mesmas para psicólogos pesquisadores e para os psicólogos clínicos.

Ao contrário de pesquisadores, os praticantes de psicoterapias relataram mais sofrer mais com ansiedade, depressão e exaustão emocional, mas que estavam satisfeitos com suas vidas e mais propensos a sentir que seu trabalho tinha influenciado para o bem.

Outra pesquisa mais recente, Marit Rabu e colaboradores concluíram que o trabalho como psicoterapeuta envolve o desenvolvimento de mais abertura, tolerância e criatividade, mas também os torna mais vulneráveis a sentimentos de inadequação, isolamento e desespero.

A resposta recorrente dada por psicoterapeutas entrevistados foi que era um privilégio fazer parte da vida daquelas pessoas não só para acompanhá-los em sua dor e sofrimento, mas também na sua capacidade, às vezes notável, para lidar e se adaptar. Os profissionais ainda acrescentaram que isso ajudou a enriquecer os seus próprios relacionamentos e a vida em geral.

No que diz respeito a dor e sofrimento, eles notaram que a idade e a experiência os havia tornado mais sensíveis durante a carreira. Na verdade, a maioria concorda que os desafios mais difíceis que trabalham com clientes suicidas. Alguns observaram a imensa culpa por não conseguir fornecer apoio suficiente.

Concluindo, a pesquisa qualitativa produz um material muito rico para análise e reflexão, mas, inevitavelmente, à custa do controle metodológico, tornando-se difícil saber como estas descobertas podem ser padronizadas. Além disso, os pesquisadores alertam para outras variáveis a serem levadas em conta, como a abordagem teórica (principalmente a humanista e a relacional) que podem ter influenciado suas respostas, assim como o momento da vida em que se encontram os profissionais entrevistados.

No entanto, em relação aos pontos que foram levantados, podemos afirmar que a pratica da psicoterapia traz para os profissionais um custo emocional com muita responsabilidade e estresse por um lado, e cheio de aprendizagem inestimável e riqueza, por outro.

Portanto, devemos estar preparados e tomar precauções para preservar o melhor da nossa prática; cultivar a compaixão por si mesmo, protegendo o espaço interior em si, cultivando outros interesses, socializar com outras pessoas fora da profissão, pintura, tocar um instrumento, fazer exercício ou conexão com a natureza. Não esquecendo, é claro, os três pilares em nossa prática, já apontada da psicanálise: teoria, supervisão e nossa própria terapia pessoal (ou trabalho pessoal).

Fonte: https://www.psyciencia.com

Deixe uma resposta