Mecanismos de Defesa

Cursos Online na área de Ciências Humanas e Sociais

Mecanismos de defesa são uma parte de nossa vida cotidiana. Mesmo se você não seja um freudiano por filosofia ou preferência de linha de estudo na psicologia, você tem que admitir que há algo a ser dito para a ideia de que todo mundo se envolve em alguma forma em auto-engano, pelo menos por algum tempo. A questão é: você pode detectar a forma de engano que você, seus amigos, colegas e família estão usando a qualquer momento?

Anna Freud definiu em detalhes os mecanismos de defesa esboçados por seu pai (Sigmund Freud) em seu livro, “O Ego e os Mecanismos de Defesa”. Os mecanismos de defesa não são apenas uma medida de proteção inconsciente para impedi-lo de se conectar com seus desejos instintivos vorazes. Eles também vão protegê-lo da ansiedade de enfrentar suas fraquezas.

 Os principais mecanismos de defesa

1. Negação.

Você pode considerar este o mecanismo de defesa “genérico”, porque aparece por trás de muitos dos outros. Quando você usa a negação, você simplesmente se recusa a aceitar a verdade ou a realidade de um fato ou experiência. “Não, eu sou apenas um fumante social,” é um bom exemplo;

Da mesma forma as pessoas podem aplicar o mecanismo de defesa da negação a qualquer mau hábito que desejam se distanciar incluindo uso excessivo de álcool ou uso de drogas, compras compulsivas ou jogos de azar, e similares. “Apenas diga não”, neste caso, significa que você vai proteger a sua autoestima ao não reconhecer o seu próprio comportamento.

A negação também pode ser utilizada por vítimas de traumatismo ou desastres e pode mesmo ser uma resposta protetora inicial benéfica. No longo prazo, porém, a negação pode impedi-lo de incorporar informações desagradáveis sobre você e sua vida e ter consequências potencialmente destrutivas.

2. Repressão.

Um passo acima da negação no esquema de classificação genérica, a repressão envolve simplesmente esquecer de algo ruim. Você pode esquecer uma experiência desagradável, no passado, como um acidente de carro no qual você foi culpado.

Você também pode usar a repressão quando você “esquecer” de fazer algo desagradável, como ir ao dentista ou ao encontro com um conhecido que você realmente não gosta. A repressão, como a negação, pode ser temporariamente benéfica, especialmente se você se esqueceu de algo ruim que aconteceu com você, mas como acontece com a negação, se você não vir a enfrentar a experiência ela pode voltar para assombrá-lo.

3. Regressão.

Da repressão à regressão o “g” faz toda a diferença. Na regressão, você volta a um estado emocional infantil em que seus medos inconscientes, ansiedades, e “angústia” geral reaparecem.

Na teoria do desenvolvimento psicossexual de Freud, as pessoas se desenvolvem através de estágios, como o estágio oral, anal e fálico, e as estruturas básicas da personalidade são estabelecidas. No entanto, de vez em quando, uma pessoa quer reverter-se para um estado infantil de desenvolvimento. em particular em condições de tensão.

Essa raiva da estrada que você vê quando os condutores estão presos no trânsito é um grande exemplo de regressão. As pessoas também podem mostrar regressão quando retornam a um estado infantil de dependência. Se encolher sob os cobertores quando você teve um dia ruim é uma instância possível.

O problema com a regressão é que você pode se arrepender de deixar o seu espetáculo infantil de uma forma autodestrutiva. Recusar-se a falar com as pessoas que fizeram você se sentir mal ou triste pode eventualmente chegar em problemas piores do que os que você tinha quando começou.

4. Deslocamento.

No deslocamento você transfere seus sentimentos originais perigosos (geralmente raiva) para longe da pessoa que é o alvo e para uma vítima mais infeliz e inofensiva.

Aqui está o exemplo clássico de deslocamento: Você teve uma interação muito desagradável com seu chefe ou professor, mas você não pode mostrar a sua raiva em relação a ele ou ela. Em vez disso, você chega em casa e, por assim dizer, “chuta o gato” (ou cão).

Toda vez que você mudar seus verdadeiros sentimentos de sua fonte provocadora de ansiedade original para quem você percebe como menos provável de causar-lhe mal, você está muito possivelmente usando deslocamento como mecanismo de defesa do ego. Infelizmente, o deslocamento pode protegê-lo de ser demitido ou expulso da sala de aula, mas não irá proteger sua mão se você decidir deslocar a sua raiva do verdadeiro alvo em uma janela ou parede.

5. Projeção.

 Os quatro primeiros mecanismos de defesa eram relativamente fáceis de entender. A projeção é mais desafiadora. Primeiro, você tem que começar com a suposição de que o reconhecimento de uma qualidade particular em si mesmo poderia causar-lhe dor psíquica.

Vamos dar um exemplo bobo. Você sente que uma roupa na qual você gastou demais parece realmente ruim em você. Vestindo a roupa, você entra na sala onde seus amigos olham para você, talvez, por um momento muito longo (em sua opinião). Eles não dizem nada e não fazem nada que na realidade poderia ser interpretado como crítica. No entanto, sua insegurança sobre a roupa (e angústia por ter pago demais nela) te leva a “projetar” seus sentimentos em seus amigos, e você deixa escapar “Por que você está me olhando assim? Você não gosta dessa roupa?”

Em um caso menos bobo, você pode projetar seus sentimentos mais gerais de culpa ou insegurança em seus amigos, ou pior, pessoas que você não sabe que te amam com todas as suas falhas projetadas.

Vamos dizer que você está preocupado que você não seja realmente muito inteligente. Você comete um erro bobo que ninguém diz nada sobre, e acusa os outros de dizer que você é burro, inferior, ou simplesmente estúpido. O ponto é que ninguém disse nada que na realidade poderia ser interpretado como crítica. Você está “projetando” suas inseguranças sobre os outros e, no processo, alienando-os (e, provavelmente, parecendo um pouco bobo também).

6. Formação de reação.

 Agora estamos entrando em território avançado dos mecanismos de defesa. A maioria das pessoas têm dificuldade em compreender a formação reativa, mas é realmente muito simples.

Vamos dizer que você secretamente abriga sentimentos lascivos em relação a alguém que você provavelmente deve ficar longe. Você não quer admitir esses sentimentos, e sim expressar o oposto desses sentimentos. Este objeto de sua cobiça agora torna-se o objeto de seu ódio amargo. Este mecanismo de defesa poderia ser exemplificado como a obsessão com a pornografia se revertendo em desprezo extremo para todas as coisas sexuais.

Em suma, formação de reação significa expressar o oposto de seus sentimentos internos em seu comportamento exterior.

7. Intelectualização.

Você também pode neutralizar seus sentimentos de ansiedade, raiva, insegurança ou de uma forma que é menos provável de levar a momentos embaraçosos do que alguns dos mecanismos de defesa acima.

Na intelectualização, você se acha afastado de uma reação de emoção ou sentimento que você não gosta. Por exemplo, em vez de enfrentar o intenso sofrimento e rejeição que se sente depois que sua esposa decide se mudar, você realiza uma análise financeira detalhada de quanto você pode gastar, agora que você mora sozinho. Embora você não esteja negando que o evento ocorreu, você não está pensando sobre suas conseqüências emocionais.

8. Racionalização.

Quando você racionaliza algo, você tenta explicá-lo. Como um mecanismo de defesa, a racionalização é um pouco como intelectualização, mas envolve lidar com um mau comportamento de sua parte em vez de converter uma emoção dolorosa ou negativa em um conjunto mais neutro de pensamentos. As pessoas freqüentemente usam racionalização para escorar suas inseguranças ou remorso depois de fazer algo que eles se arrependem.

É mais fácil culpar alguém do que tomar a culpa para si mesmo, especialmente se você se sentir envergonhado ou embaraçado. Por exemplo, digamos que você perde a paciência na frente de pessoas que você gosta e respeita. Agora, para ajudar a se sentir melhor, você atribui mentalmente sua explosão a uma situação fora de seu controle, e as coisas fluindo de modo que você pode culpar alguém por provocar você.

9. Sublimação.

Acabamos de ver que as pessoas podem usar suas emoções para disparar uma resposta orientada cognitivamente. Intelectualização tende a ocorrer no curto prazo, mas a sublimação se desenvolve durante um longo período de tempo, talvez até mesmo durante todo o curso da vida.

Um clássico exemplo de sublimação é o de um cirurgião que leva impulsos hostis e os converte em “cortes” em outras pessoas de uma forma que é perfeitamente aceitável na sociedade. Este é, talvez, um exemplo que coloca as coisas em termos muito extremos.

Mais realisticamente, sublimação ocorre quando as pessoas transformam suas emoções conflitantes em estabelecimentos produtivos. Eles dizem que os psicólogos são inerentemente intrometidos (o que é mentira haha), mas é possível que as pessoas que vão para áreas de serviços humanos para ajudar os outros estão tentando compensar dificuldades experimentadas no início de suas vidas.

Considerações finais

Em suma, os mecanismos de defesa são uma das maneiras mais comuns de lidar com emoções desagradáveis. Embora Freud e muitos de seus seguidores acreditavam que podemos usá-los para combater sentimentos sexuais ou agressivos, mecanismos de defesa se aplicam a uma vasta gama de reações de ansiedade para a insegurança.

Qual mecanismo de defesa é mais adaptável? Em geral, os mecanismos de defesa mais “maduros” incluem intelectualização, sublimação, e racionalização. De acordo com pesquisa realizada pela George Vaillant, as pessoas que usam esses mecanismos de defesa com mais freqüência do que os outros tendem a experimentar melhores relações familiares e vida profissional. Você nunca pode se livrar de todos os seus mecanismos de defesa, mas pelo menos você pode crescer a partir de entender o que eles podem e não podem fazer por você.


Referências:

Kramer, U. (2010). Coping and defence mechanisms: What’s the difference? Second act. Psychology and Psychotherapy: Theory, Research and Practice, 83(2), 207-221. doi:10.1348/147608309X475989

Larsen, A., Bøggild, H., Mortensen, J., Foldager, L., Hansen, J., Christensen, A., & … Munk-Jørgensen, P. (2010). Psychopathology, defence mechanisms, and the psychosocial work environment. International Journal of Social Psychiatry, 56(6), 563-577. doi:10.1177/0020764008099555

Olson, T. R., Perry, J., Janzen, J. I., Petraglia, J., & Presniak, M. D. (2011). Addressing and interpreting defense mechanisms in psychotherapy: General considerations. Psychiatry: Interpersonal and Biological Processes, 74(2), 142-165. doi:10.1521/psyc.2011.74.2.142

Por Susan Krauss Whitbourne Ph.D.

Deixe um comentário

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui