Muitos pais já vivenciaram a cena: ao colocarem o filho na cama, são surpreendidos por choro e pela insegurança do pequeno de ficar sozinho no quarto. Esse e outros medos infantis são bastante comuns no desenvolvimento das crianças, mas merecem atenção.

O medo é um estado emocional que faz parte da natureza humana, ativando os sinais de alerta do corpo diante de possíveis perigos. Especialmente até os 5 anos de idade, as crianças tendem a apresentar essas manifestações com mais frequência.

Seja medo de ir para a escola, de dormir sozinho ou de ficar na casa de um parente, o temor é atenuado com carinho e apoio dos pais. Confira a seguir algumas dicas para lidar com essas situações.

4 dicas para os medos da criança

Para enfrentar os medos infantis, a criança precisa se sentir protegida e compreendida. Confira como você pode ajudar.

1. Não faça pouco caso

Mesmo que os medos pareçam irracionais ou bobos, os pais não devem se esquecer de que aquilo é real e sério para a criança. Rir ou menosprezar essas inseguranças pode comprometer o desenvolvimento infantil, além de refletir em comportamentos até mesmo na vida adulta. O ideal é que os adultos sejam compreensíveis, mostrando que ter medo não é problema, mas é preciso aprender a lidar com isso.

2. Ajude seu filho a vencer os medos

Especialmente as crianças menores acabam correndo para a cama dos pais por temerem monstros embaixo da cama ou dentro do armário. Deixar o filho dormir com o casal é, sem dúvida, a atitude mais fácil. No entanto, isso pode contribuir para uma confirmação de que, de fato, há algo no quarto da criança.

O ideal é que os pais peguem a criança pela mão com gentileza e mostrem que não há nada a temer. Evidentemente, isso deve ser feito de maneira carinhosa e compreensível, não como uma “punição”.

3. Utilize os objetos transicionais

Um urso de pelúcia, uma boneca ou um cobertor favorito são itens que podem reduzir a ansiedade da criança ao ir dormir. Ao ter algo familiar à mão, os pequenos se sentem mais seguros para enfrentar os temores.

4. Fale sobre os medos reais

Crianças maiores de 6 anos de idade tendem a desenvolver temores mais reais, como acidentes, quedas e assaltos. Os pais devem conversar com os filhos a respeito desses assuntos para que os pequenos possam construir noções de perigo. Isso tudo deve ser feito para que eles identifiquem possíveis riscos e se mantenham em alerta.

Quando procurar ajuda

O medo faz parte do desenvolvimento psicológico da criança e é natural, até certo ponto. Porém, quando há uma angústia além do normal, que persista mesmo com a explicação dos pais, é importante contar com a ajuda de um profissional.

A linha entre um medo natural e uma fobia é bastante tênue. Isso exige atenção dos pais, especialmente quando a insegurança começa a refletir negativamente na qualidade de vida da criança, afastando-a do contato social ou fazendo com que ela perca o interesse em certas atividades.

A partir daí, é importante conversar com um psicólogo. Um profissional estará apto para identificar as motivações de determinados temores, além de encontrar as maneiras mais saudáveis de lidar com esse tipo de situação.

Gostou das dicas? Então aproveite para compartilhar o artigo com seus amigos nas redes sociais!

Fonte: http://vivomaissaudavel.com.br

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here