É notório o que as Guerras e confrontos letais provocaram ao longo da história da humanidade. As mais famosas são as Guerras Mundiais ocorridas em um curto período de tempo no século XX.  A terra já se fartou de sangue, mortes, contendas e destruição provocada na maioria das vezes por posses de territórios, minérios, demonstração de forças ou ideologias que deturparam a mente humana e conduziram as maiores atrocidades inimagináveis que foram praticadas por “humanos”. Os aspectos negativos a médio e longo prazo são difíceis de mensurar. O certo é que as cicatrizes são eternas.

Os aspectos positivos resultantes das guerras foram as mudanças de culturas, invenções, adaptações a novos modelos de vida, descobertas na medicina, engenharia militar, administração, criação de Organizações, Leis, entre outras. Tudo isso é efeito colateral de um doloroso processo que traz alguns benefícios após os horrores causados pelas mesmas. Abaixo as principais guerras do mundo líquido e contemporâneo:

Guerra por vingança – caracteriza-se por compreender uma nação inteira sob o objetivo de vencer uma guerra emocionalmente e psicologicamente, envolvido em um objetivo não razoável. Nasce do confronto em si, gerado de disputas muitas vezes históricas ou sociológicas. Envolve o conjunto dos esforços bélicos, ideológicos, comerciais, e inclui necessariamente questões culturais, históricas e antropológicas, oriundas da disputa política anterior e necessariamente de um líder constituído para tal fim que incorpora tal espírito agressivo de um povo historicamente ofendido. Citamos a Alemanha nacional trabalhista de Adolf Hitler, a Itália e o Japão, nações do chamado Eixo, de mesmo foco político, de Benito Mussolini, que queriam transformar o mundo, durante a Segunda Guerra Mundial.

Guerra preservativa: ocorre quando uma nação, estando sob a ameaça de outra, não encontra alternativa senão a de tomar a iniciativa do confronto, fazendo isso como forma de defesa. São consideradas “legais”, de acordo com a Organização das Nações Unidas(1948) ou Liga das Nações(1918)

Guerra fria: As nações brigam através de corrida armamentista e tecnológica, espionagem; por conflitos indiretos e subversivos com espionagem, sempre evitando o confronto direto, uma vez que este desencadearia uma situação sobre a qual as nações confrontantes não teriam controle, sobre a Guerra Nuclear ou Atômica, gerando assim, evidentemente, o fim da humanidade. Ex.: Estados Unidos da América X União das Repúblicas Socialistas Soviéticas de 1960 a 1984.

Guerra comercial ou econômica: envolve a utilização de mecanismos tais como o embargo comercial e a imposição de barreiras alfandegárias.

Guerras políticas: a política sempre foi alvo dos maiores conflitos desde que o mundo é mundo. A “cortina de fumaça” que gira em torno disso é confusa e embaraçosa. O mundo político envolve interesses, egos, vantagens, hierarquia, corrupção e jogos de poder. Talvez seja um dos principais problemas e um mal inescapável na maior parte das nações.

Guerras silenciosas: são as que não chegam ao conhecimento público. Informações sigilosas e altamente secretas que são viáveis para não provocar pânico ou caos em determinada região ou Nação. Geralmente são confrontos evitados ou não viáveis diante das circunstâncias políticas, econômicas e humanitárias.

Guerras empresariais: o mundo empresarial é altamente complexo, competitivo e violento em alguns aspectos. A competição honesta ou desonesta leva muitas vezes a atitudes antiéticas e com efeitos desastrosos diante da ganância por participação no mercado, crescimento e lucros a qualquer custo. O jogo aqui é forte e alucinante.

Guerras científicas: gira em torno de descobertas, comprovações, análises, pareceres e reprovações, possibilidades e fantasias. O cenário vai do possível as coisas mais absurdas que podem em algum momento se tornar realidade. Não estamos preparados para o futuro chocante e revolucionário que nos aguarda. Robôs, inteligência artificial, eletrônicos, tecnologias de comunicação, reconhecimento facial, uso de drones e mutações genéticas são alguns exemplos do imenso pacote disponível.

Guerras de egos: a mais notável e que de algum modo ocasiona qualquer uma das citadas anteriormente. Os egos elevados criam confusões, fantasias, guerras, mortes, insanidades, descobertas e competitividade constante. As redes sociais são grandes exemplos de um ser humano que gosta de projetar imagens que muitas vezes não condizem a realidade, mas satisfazem o ego pessoal. A situação de parecer melhor que alguém por algum motivo por mais pífio que seja alimenta o interior desses seres humanos tão frágeis e egoístas ao mesmo tempo. O ego funciona como uma espécie de máscara e preenchimento de um vazio existencial. Além disso, egos feridos são extremamente perigosos, pois levam a irracionalidade e ação por instinto. Seres humanos fazem papéis de anjos e também de demônios…

Reflexões

“A morte é mais leve que uma pluma. A responsabilidade de viver é mais pesada que uma montanha”.  (Provérbio japonês)

 “Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas” (Sun Tzu)

“Em tempo de paz convém ao homem serenidade e humildade; mas quando estoura a guerra deve agir como um tigre!” (William Shakespeare)

“Nas grandes batalhas da vida, o primeiro passo para a vitória é o desejo de vencer”. (Mahatma Gandhi)

“O homem nasceu para lutar e a sua vida é uma eterna batalha.”
(Thomas Carlyle)

Referências

Compartilhar
Douglas Henrique Reginato
Graduado em Administraçao de Empresas (Uenp) . Pós graduado em Gestão Estratégica de Pessoas (Unopar - PR). MBA em Marketing Estratégico voltado a lucratividade (Unifil Londrina). Gosto de musica clássica e leio livros e revistas dos mais variados temas. Procuro ampliar minha visão de mundo e contribuir de alguma forma com a sociedade. Sou um eterno estudante.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Insira seu nome aqui