Pessoas que possuem incríveis habilidades parecem coisas de HQs, mas existem na vida real algumas pessoas com habilidades que impressionam, os Savants, Por um lado, possuem dons muito acima da média em áreas como matemática ou música. Por outro, têm dificuldades incapacitantes em atividades simples, como se relacionar com outras pessoas. O primeiro cientista a diagnosticar o savantismo foi J. Langdon Down, cujo sobrenome batizou a síndrome de Down. Ele chamava os portadores de “idiot savant” (“idiota prodígio”, em francês), mas a expressão se tornou politicamente incorreta.

Quer saber mais sobre a síndrome de Savant? Acesse o link: http://leandro.psc.br/sindrome-de-savant/

Em seguida vamos conhecer algumas dessas pessoas com incríveis habilidades

 

1) O Homem Biblioteca

Savant Kim Peek (1951-2009)

País EUA

Nasceu com deficiência mental e seus testes de QI sempre foram abaixo da média. Ações simples, como abotoar uma camiseta, eram praticamente impossíveis para ele. Por outro lado, Peek leu mais de 12 mil livros – e conseguia se lembrar de cada palavra em todos eles.Peek inspirou o filme Rain Man (1988), que deu o Oscar de melhor ator a Dustin Hoffman.

O americano de 55 anos dominava pelo menos 15 campos de política, boxe e as estradas dos EUA. A sua facilidade decorativa era proporcional aos obstáculos da vida cotidiana. Sem muita coordenação motora, precisava de ajuda para se vestir, se barbear, etc. Também se irritava quando não tinha nada que fazer para abranger seu conhecimento.

Kim retinha 98 por cento de toda a informação que lia ou ouvia quando, em média, uma pessoa memoriza apenas 45 por cento. Com dois anos, já conseguia ler e memorizar livros. Ao longo da vida, terá memorizado 12 mil livros, entre os quais a Bíblia e toda a obra de William Shakespeare – esta, com apenas 16 anos. Além do mais, Peek era capaz de ler duas páginas de um livro ao mesmo tempo, uma com cada olho e depois mantinha um registro detalhado de tudo que lera.

Depois de nascer, os médicos haviam diagnosticado que Kim sofreria de um retardamento mental e aconselharam a seus pais que o confiassem a uma instituição especializada. Segundo pessoas próximas, Kim Peek mantinha uma vida reclusa, devorando obras inteiras. Mas tudo mudou quando, em 1984, conheceu Barry Morrow. O roteirista, fascinado por sua história, resolveu adaptar sua vida para o cinema. O drama Rain Man, baseado na biografia de Kim, foi lançado em 1988. Após o grande sucesso do filme – o ator Dustin Hoffman ganhou o Oscar e o Globo de Ouro de melhor ator – Kim Peek passou a dar palestras e foi considerado um gênio em diversos temas, como história, literatura e matemática.

 

2) MEMÓRIA FOTOGRÁFICA

Savant Stephen Wiltshire (1974-)

País Inglaterra

Nascido com autismo, esse inglês é capaz de desenhar, de memória, paisagens complexas que viu uma única vez. Ele foi condecorado como Membro da Ordem do Império Inglês por seu trabalho e conseguiu uma exposição permanente na Royal Opera Arcade, em Londres.

Clique aqui e veja Stephen usar seu dom para desenhar Tóquio.

Stephen é um artista com um dom absolutamente extraordinário: ele consegue memorizar várias cenas em poucos minutos, e depois reproduzi-las com um número absurdo de detalhes em forma de desenhos.

Em 2009, Stephen foi convidado pela UBS para fazer um desenho da cidade de Nova York. Para ajudar na visualização, eles sobrevoaram toda a cidade de helicóptero por 20 minutos, o suficiente para Stephen gravar todos os detalhes.

Popularmente conhecida como memória fotográfica, a memória eidética é um talento excepcional que Steven começou a desenvolver lá pelos 7 anos, pois não falava e não se relacionava com ninguém por conta do autismo, e o desenho se transformou na melhor forma de se expressar.

Esse talento extraordinário já lhe rendeu vários prêmios e reconhecimento internacional, que ganhou mais notoriedade com o painel que ele fez da cidade de Nova York, e ficou conhecido como “The Human Camera”.

 

3) JUKEBOX MAN

Savant Leslie Lemke (1952-)

País EUA

Leslie Lemke nasceu prematuro em Milwaukee, Wisconsin em 1952. Ao nascer, foi diagnosticado com glaucoma, paralisia cerebral e danos cerebrais. Os médicos foram forçados a retirar seus olhos. Sua mãe biológica o entregou  para adoção, e, May Lemke, uma enfermeira, adotou-o aos seis meses de idade.

Para alimentá-lo, May tinha que empurrar comida goela abaixo. Demorou sete anos de constante cuidado até que Leslie pudesse mastigar alimentos por conta própria. Durante este tempo, ele não fez sons ou movimentos e não demonstrou nenhuma emoção. Ele tinha 12 anos quando ficou em pé pela primeira vez, e aos 15 anos aprendeu a andar.

Aos 14 anos tocou, com perfeição, o Concerto nº 1 para piano de Tchaikovsky, depois de ouvi-lo pela primeira vez enquanto escutava um filme de televisão. Leslie logo foi tocando todos os estilos de música, do ragtime ao clássico.

Sua mãe adotiva incentivou seu talento para o piano. Em 1980, Leslie estava dando regularmente concertos em Fond du Lac, Wisconsin. Sua fama repentina lhe valeu convites para vários programas de televisão como CBC’s Man Alive (apresentado por Roy Bonisteel), CBS Evening News, 60 Minutes, e That’s Incredible!. Em 1983, a ABC transmite The Woman Who Willed a Miracle, um drama sobre Leslie e sua mãe adotiva. Foi estrelado por Cloris Leachman como May Lemke. Leslie é também o tema da canção de Fred Small, Leslie is Different.

Leslie excursionou pelos Estados Unidos, Escandinávia e Japão e deu concertos gratuitos em várias ocasiões. Ele estava muito animado quando tocava.

 

4) A MULHER-MORCEGO

Savant Ellen Boudreaux (1957-)

País EUA

Cega e autista, Ellen tem a mesma capacidade musical de Leslie Lemke. Ela também consegue dizer com precisão que horas são, sem checar o relógio. E é capaz de se mover sem bater em objetos, usando um barulho que faz com a boca, como a ecolocalização dos morcegos.

Apesar de suas habilidades notáveis, Ellen cresceu muito lentamente e ela não aprendeu a andar até que ela tinha 4 anos de idade.

Como ela aprendeu a andar, seus pais perceberam que ela tinha um sentido espacial que era impressionante para uma criança cega. Ela era capaz de apontar a localização exata dos objetos na frente dela, como cercas, paredes e edifícios que estavam a uma distância de cerca de 6 metros de distância dela.

Ao longo de sua infância, ela desenvolveu e usou uma forma de radar que consistia de pequenos sons produzidos com a boca que lhe permitiu obter um sentido muito bom de direção e navegar seu caminho através da vida. Seu pai percebeu que ela era capaz de caminhar em florestas espessas, até mesmo correr sem esbarrar em uma única árvore.

Ellen é conhecida por suas habilidades musicais e memória. Estas habilidades começaram a manifestar-se em uma idade muito jovem, tão jovem quanto seis meses de idade. Aos 4 anos de idade, ela surpreendeu os membros da família ao ser capaz de reconhecer músicas simples em um órgão elétrico.

 

5) A ZOOGÊNIA

Savant Temple Grandin (1947-)

País EUA

Essa autista superou as barreiras de seu transtorno e conseguiu um bacharelado em psicologia, um mestrado em zoologia e um Ph.D na mesma área. Suas inovações melhoraram o tratamento de animais em fazendas e abatedouros.

Visitando a fazenda de sua tia Ann no Arizona em 1966, Temple inicia seu primeiro contato com animais, que influenciariam sua vida e carreira. O brete de contenção de bovinos a inspirou na construção de um aparelho para si própria para se refugiar de seus frequentes ataques de pânico.

Sua mãe Eustácia, mesmo com a recomendação médica de interna-la em uma intituição psiquiátrica, insiste em proporcionar-lhe educação formal. Em uma escola para crianças superdotadas, é encorajada por seu professor de Ciências, o Dr.Carlock. Este percebe seu talento em “pensar imagens e conecta-las”, e a incentiva a prosseguir sua educação em uma universidade.

Hoje ministra cursos na Universidade Estadual do Colorado a respeito de comportamento de rebanhos e projetos de instalação, além de prestar consultoria para a indústria pecuária em manejo, instalações e cuidado de animais. À data de outubro de 2016 ela é a mais bem sucedida e célebre profissional norte-americana com autismo, altamente respeitada no segmento de manejo pecuário.

Na juventude ela criou a “máquina do abraço”, uma engenhoca para lhe pressionar como se estivesse sendo abraçada e que a acalmava, assim como a outras pessoas com autismo. Sua vida foi tema do filme Temple Grandin, em 2010, quando ela foi mencionada pela revista Time na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo, na categoria dos “Heróis”.

Temple tornou-se uma profissional extremamente bem-sucedida. Projeta equipamentos e instalações para a pecuária. Todos os corredores e currais que desenha são redondos, pois o gado tem mais facilidade em seguir um caminho curvo – primeiro porque, não vendo o que há no fim do caminho, fica menos assustado; segundo porque o desenho curvo aproveita o comportamento natural do animal, que é descrever círculos. Ela faz uma analogia: com as crianças autistas é preciso agir do mesmo modo, isto é, trabalhando a favor delas, ajudando-as a descobrir e desenvolver seus talentos ocultos. Ela já escreveu mais de 400 artigos publicados em revistas científicas e periódicos especializados, tratando de manejo de rebanho, instalações e cuidados dos animais.

 

6) A SUPERARTISTA

Savant Henriett Seth F. (1980-)

País Hungria

Autista, Henriett possui habilidades excepcionais em literatura, pintura, música e escultura. Embora tenha ganhado diversos prêmios por suas obras, nenhuma dessas áreas a prendeu por muito tempo: ela desistiu da música aos 13 anos, da escrita criativa aos 25 e da pintura aos 27.

Nascida na Hungria, Henrietta, como costuma ser conhecida, aos 9 meses de idade já oralizava, no entanto, de maneira ecolálica, apenas reproduzindo aquilo que ouvia. Seu comportamento era considerado obsessivo, com padrões rotineiros, sempre abrindo e fechando portas. Apenas desejava comer pudim e tomar chocolate, nunca se punha cansada e dormia muito pouco. Ainda criança recebeu o diagnóstico de autismo. Ela também sofreu com problemas de coração, míope, astigmatismo e estrabismo, além de doenças ortopédicas e outros incômodos físicos. Ao longo de sua vida Henrietta passou por vários e sérios problemas de saúde.[2] Aos 5 anos de idade sofreu de “trombocitopenia imune”, uma espécie de doença autoimune, mas se recuperou após realizar um tratamento em Budapeste. No ano de 1987,todas as escolas de ensino fundamental da cidade onde vivia recusaram sua matrícula em razão de suas dificuldades para se comunicar e por não estabelecer nenhum contato visual. Em 1989, foi matriculada em uma escola para alunos com deficiência intelectual. Entretanto, Henrietta também passou a frequentar uma escola de arte e música.

Aos 8 anos de idade ela apresentava um excelente nível de conhecimento e já conhecia o livro de poemas escrito por Attila Jozsef. Também já tocava melodias da flauta e aos 10 anos tocava contrabaixo. Percebeu-se então que Henrietta levava consigo as singularidades do autismo, mas também um notável potencial para a área letras e das artes. [3] Aos 9 anos de idade, iniciou suas composições poéticas e participou de vários eventos e concursos de literatura, obtendo muito sucesso. Aos 10 anos venceu um pequeno concurso de histórias. Em 1995 iniciou seus estudos na escola secundária de arte de Geza Gardonyi Cistercitan, época em que sua memoria contribuiu para que tivesse êxito no desenvolvimento de sues habilidades. Aos 13 anos de idade participou em vários concertos do Helyorsegi Klub, na Hungria, porém, abandonou por completo as atividades musicais.

 

7) SENHOR 3D

Savant Alonzo Clemons (data de nascimento não revelada)

País EUA

Alonzo Clemons é um artista extraordinário. A sua especialidade é a criação de esculturas de figuras de animais, cheias de vida e de espírito, que são feitas com uma velocidade incrível, grande precisão de forma e de beleza artística.

Quando tinha 2 anos, Clemons caiu de cabeça no chão e sofreu um traumatismo craniado causando danos cerebrais. O acidente mudou sua vida: “Deus me deu um Dom, costuma dizer Clemons. Ele começou a mostrar um fascínio por materiais de modelagem e uma facilidade enorme para fazer esculturas. Mesmo em situações onde não tinha acesso a argila para modelagem , a sua determinação em fazer modelos de animais era tão grande que ele encontrou os materiais no seu ambiente que ele poderia usar para esculpir.

A sua natureza savant fornece-lhe competências que contribuem fortemente para a sua genialidade como artista. Ele não consegue realizar atividades mecânicas simples, mas tornou-se capaz de esculpir com perfeição qualquer objeto ou animal após vê-lo uma única vez. A sua abordagem à arte é simples e direta do coração.

https://youtu.be/lkDMaJ-wZmQ

 

8) CAPITÃO PI

Savant Daniel Tammet (1979-)

País EUA

Daniel Tammet possui capacidades especiais na memorização de números e grande facilidade na aprendizagem de línguas. Ele foi capaz de dizer 22.514 dígitos de Pi e de aprender a falar islandês em uma semana. Atualmente fala onze línguas diferentes, além de ter criado seu próprio idioma, o Mänti.

Daniel Tammet ganhou a mídia ao quebrar o recorde europeu de memorização e recitação de pi, nas comemorações do dia do pi do Museu de História da Ciência de Oxford, em 14 de março de 2004. Daniel recitou os 22.514 dígitos corretamente em cinco horas, nove minutos e 24 segundos. Os fundos arrecadados neste dia foram doados a instituições que tratam de pessoas com epilepsia, mal que acometeu Tammet na infância.

O que torna Tammet único entre os portadores de savantismo é que ele consegue explicar para os cientistas o que se passa em sua mente. Ele diz que em sua mente cada número inteiro até 10.000 possui uma forma, textura e cor únicas, e utiliza essa capacidade para realizar cálculos matemáticos. Daniel desenhou como ele vê os primeiros vinte dígitos de pi para o programa 60 minutes. Uma prévia pode ser encontrada na seção de artes de seu site oficial.

Em 2005, foi rodado o documentário Brainman: The boy with incredible brain (algo como: “Homem-cérebro: o garoto com um cérebro inacreditável”), a respeito da vida e das habilidades de Daniel Tammet (um trocadilho com o título de Rain Man, filme que popularizou a figura do idiota-prodígio).

Escreveu os livros “Born on a Blue Day” (Nascido num dia azul, cor que representa, para ele, as quartas-feiras, dia da semana em que nasceu)ISBN 978-972-8929-72-5 e “Embracing the wide sky: A tour accross the horizons of mind” (Abraçando o imenso céu: Uma viagem através dos horizontes da mente, ainda sem edição em português), em que analisa suas habilidades à luz de estudos científicos.

 

9) CALCULADORA HUMANA

Savant Jedediah Buxton (1707-1772)

País Inglaterra

Foi um dos primeiros e mais conhecidos casos de savantismo. Conseguia fazer cálculos com números de até 39 dígitos e mediu com precisão a extensão da vila em que vivia apenas andando por ela. Ficou tão famoso que recebeu o apelido de “Calculadora Humana”.

Buxton nasceu em 1707 e, apesar de seu pai ser mestre-escola de Elmton, e seu avô ter sido o vigário, sua educação foi tão negligenciada que ele não sabia escrever. E seu conhecimento, exceto em números, era extremamente limitado.

Como ele veio a conhecer as proporções relativas de números, e suas denominações progressivas, ele não se lembrava. Mas em tais assuntos sua atenção era tão focada que freqüentemente não tomava conhecimento de objetos externos, e quando o fazia, era apenas com referência a seus números.

Ele mediu todo a extensão de Elmton, a vila onde morava, que consistia de alguns milhares de hectares (4 km²), simplesmente andando por ela, e fez isso não só em acres,  mas também em centímetros quadrados.

Sua memória era tão grande que, ao resolver uma pergunta, ele poderia parar e retomar a operação novamente no mesmo ponto após o lapso de uma semana, ou mesmo de vários meses. Sua aplicação perpétua a números  impediu  que adquirisse conhecimento em qualquer outra área.

Entre os muitos exemplos das proezas aritméticas de Buxton estão o seu cálculo do produto de um farthing dobrado 139 vezes. O resultado, expresso em libras, estende-se a trinta e nove dígitos, e é correto na medida em que pode ser facilmente verificado pelo uso de logaritmos. Buxton depois multiplicou esse enorme número por si só. Parece que ele inventou uma nomenclatura original para grandes números, uma “tribo” sendo o cubo de um milhão, e um “cãibra” .

 

10) MEMÓRIA FOTOGRÁFICA

Savant  Richard Wawro  (1952 –  2006)

País Escócia

 

Wawro é um artista escocês que foi diagnosticado como “moderadamente a severamente retardado”  aos três anos de idade, uma condição mais tarde reconhecida como autismo. Ele não aprendeu a falar antes dos 11 anos de idade e necessitou cirurgia ocular para remover as cataratas, o que o deixou com visão suficientemente fraca para ser classificada como legalmente cega.

Quando criança, Wawro começou a desenhar em um quadro-negro. No centro de crianças local, aos seis anos de idade, ele começou a usar lápis de cera, e seu talento foi reconhecido logo depois. Um professor de arte (Londres), quando Wawro era ainda criança, descreveu-o como incrível fenômeno, com a precisão de um mecânico e a visão de um poeta.

Teve sua primeira exposição em Edimburgo quando tinha 17 anos. No início da década de 70, uma de suas exposições foi aberta por Margaret Thatcher, então ministra da Educação, que comprou vários de seus quadros, assim como João Paulo II.

Sua arte original foi introduzida primeiramente nos Estados Unidos em 1977 em um conselho nacional dos professores da conferência inglesa na faculdade criadora para talentoso e talentoso em New York City. Em 1983, sua vida e trabalho foram o tema de um documentário internacional, premiado com olhos abertos, pelo especialista em autismo Laurence A.Becker, Ph.D.

Wawro especializou-se em paisagens, suas pinturas foram aclamados como sendo altamente detalhadas e dramáticas de profundidade e de cor intensas. Ele não usou modelos, mas tirou de imagens vistas apenas uma vez, como em livros ou na televisão; Sua memória fenomenal permitiu-lhe lembrar onde ele desenhou cada quadro e até a data precisamente em sua mente. Embora possuindo lembrança perfeita, ele muitas vezes adicionou seus próprios toques às imagens. Ele foi particularmente inspirado pela luz, e os tons que ele usou para capturar luz e sombras são considerados magistralmente.

 

E você conhece alguém com habilidades incríveis?

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here