É notório que o mundo atual se diferencia em todos os aspectos e olhares comparados a qualquer outra época, principalmente ao século XX, que é algo mais próximo do nosso entendimento e vivência, já que a maior parte dos habitantes atuais do planeta nasceu na metade do século XX em diante. As reflexões, previsões e esclarecimentos de diversos pensadores quando ao mundo novo, líquido e instável tornou-se extremamente notável em nosso cotidiano. Nesse sentido podemos recordar dos nomes de Aldous Huxley (escritor britânico), Alvin Toffler (professor e futurista nos EUA) e Zygmunt Bauman (sociólogo e escritor polonês). Abaixo algumas reflexões e comentários acerca de alguns temas desse novo mundo, com base nesses pensadores e na minha limitada visão de mundo:

– Segurança: temos hoje a situação contraditória de querer desfrutar de maior liberdade, ao mesmo tempo em que necessitamos de alarmes, carros blindados, sensores, cercas elétricas e câmeras para dar muitas vezes vaga sensação de proteção. A realidade é que os sistemas humanos sempre têm falhas e a qualquer momento podemos ser vitimas e grandes transtornos, seja pela própria natureza ou pela ação deturpada e maléfica de humanos.

– Política: Os governos tornaram-se incapazes de cumprir as promessas feitas à população, o que gera incertezas e decepção em relação ao futuro. Os governantes exercem influência e poder quase que supremo diante da sociedade que pouco é representada e não consegue adquirir as condições básicas para uma vida digna. Os casos de corrupção são frequentes e os mesmos se perpetuam no poder. O mundo ainda se divide em comandantes fortes e subordinados fracos.

– Economia: O mundo está em constante mudança, principalmente no mercado financeiro e econômico. Os países de primeiro e terceiro mundo ainda permanecem com diferenças gritantes em qualidade de vida, poder de compra e distribuição de renda. O abismo entre esses dois mundos é enorme e não há evolução aparente nesse aspecto.

– Relacionamentos: “Vivemos tempos líquidos. Nada é para durar”. (Zygmunt Bauman). Os diversos tipos de relacionamentos entre as pessoas têm mudado e a duração também. As interações humanas se iniciam e acabam rapidamente. Isso reflete no que o autor classifica como “Amor líquido, Vida líquida e Sociedade Líquida”.

– Educação: “O analfabeto do século XXI não será aquele que não consegue ler e escrever, mas aquele que não consegue aprender, desaprender, e reaprender.” (Alvin Toffler)

– Saúde: Um dos principais pontos da sociedade de Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley é o uso de um comprimido chamado Soma, que atua reduzindo a ansiedade, estresse e outros sentimentos negativos dos personagens, deixando-os em estado de relaxamento e alegria. O problema com isso é que o que se percebe, durante a narrativa, é uma completa falta de capacidade para lidar com sentimentos completamente naturais dos seres humanos, como a tristeza e a angústia. Isso traduz a nossa realidade atual, onde os maiores problemas são doenças emocionais e psiquiátricas, estresse, síndrome do pânico, depressão e outros.

– Mundo digital / Privacidade: Tudo está conectado de alguma forma. A sociedade vive em rede. O mundo tornou-se uma esfera globalizada e extremamente dependente da tecnologia em todos os níveis e aspectos. Já não há como viver sem computadores, celulares, Gps, Tablets, Internet, jogos virtuais, redes sociais e os milhares de aplicativos disponíveis para uso.  As pessoas já não tem quase nenhuma privacidade, pois os dados estão disponíveis em algum banco de dados na Web, onde isso pode ser usado tanto para o bem quanto para o mal. Ninguém consegue se esconder ou fugir de certa forma desse grande universo digital.

– Choque do terceiro milênio: Há muitas mudanças ocorrendo em um espaço curto de tempo. A quantidade de informações nos atropela e provoca uma espécie de desespero ao pensar na possibilidade de estar desconectado ou desinformado por um período de tempo. Entende-se que alguns minutos desconectados das fontes de interação e informação podem custar tempo, dinheiro ou mesmo a própria vida.

– Retrotopia: a busca no passado de elementos que nos deem perspectiva de um futuro melhor, ainda que isso seja somente ilusão. Precisamos ver uma “luz no fim do túnel”em qualquer situação de desequilíbrio, ainda que estejamos conscientes que estamos enganando a nós próprios.

 

Referências:
https://exame.abril.com.br/negocios/futurismo-as-ideias-de-alvin-toffler/
https://educacao.uol.com.br/biografias/aldous-huxley.htm

 

 

SHARE
Douglas Henrique Reginato
Graduado em Administraçao de Empresas (Uenp) . Pós graduado em Gestão Estratégica de Pessoas (Unopar - PR). MBA em Marketing Estratégico voltado a lucratividade (Unifil Londrina). Gosto de musica clássica e leio livros e revistas dos mais variados temas. Procuro ampliar minha visão de mundo e contribuir de alguma forma com a sociedade. Sou um eterno estudante.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here