controle-emocional
Há momentos em que, seja medo ou raiva , eles nos cegam completamente e nos fazem cometer atos que em outras circunstâncias nunca teríamos feito. Nesses momentos, podem escapar de palavras cruéis que ferem outras pessoas e podemos cometer atos irreversíveis de desculpa difícil. Reagimos de forma exagerada, sem pensar, perdemos o controle da situação e de nós mesmos. Nesse momento, há um sequestro emocional completo.
 

O que é sequestro emocional?

 

Todos, em maior ou menor grau, mais ou menos frequentemente, fomos vítimas desses sequestros emocionais. São momentos em que não pensamos, nos deixamos levar pelos sentimentos e, depois daquele momento crítico, não nos lembramos muito bem do que fizemos ou por quê. 

Quando somos vítimas de uma explosão emocional, o centro do sistema límbico declara uma espécie de “estado de emergência” e recruta todos os recursos do cérebro para realizar suas funções. Esse sequestro ocorre em poucos segundos e imediatamente gera uma reação no córtex pré-frontal, a área ligada à reflexão, de modo que não temos tempo para avaliar o que está acontecendo e decidir de maneira racional. 

Obviamente, nem todos os sequestros emocionais têm conotações negativas. Por exemplo, quando somos vítimas de uma crise incontrolável ou nos sentimos eufóricos, a amígdala também assume o controle e nos impede de pensar. De fato, não é a primeira vez (e não será a última) que alguém comete uma estupidez influenciada por um estado de euforia, prometendo coisas que ele não pode cumprir ou que ele se arrepende.
 

A amígdala: sede das paixões e sentinela do cérebro

 
O sequestro emocional é gerado na amígdala, que é uma das estruturas mais importantes do sistema límbico, na qual as emoções são processadas. De fato, a amígdala é especializada no processamento dos fatores emocionais dos estímulos e está vinculada ao processo de aprendizagem e memória. Foi observado que quando há uma desconexão entre a amígdala e o resto do cérebro, não podemos dar um significado emocional às situações. Por exemplo, podemos ver nosso parceiro, mas não sentimos nenhuma emoção. Assim, a amígdala é uma espécie de depósito de memória emocional.
 
No entanto, a amígdala também desempenha um papel fundamental nas paixões. Quando essa estrutura é danificada, as pessoas não têm sentimentos de raiva e medo. Eles nem sequer conseguem chorar. 
 
Neste ponto, você pode se perguntar: se a amígdala funciona perfeitamente, como podemos nos deixar levar pelas paixões tão facilmente?
 
O problema é que a amígdala também desempenha o papel de sentinela do nosso cérebro e uma de suas funções é examinar as percepções em busca de uma ameaça. A amígdala revisa cada situação perguntando: É algo que eu odeio? Isso pode me machucar? Tenho medo? Se a resposta a uma dessas perguntas for positiva, a amígdala reage imediatamente, ativando todos os seus recursos e enviando uma mensagem de emergência para o restante do cérebro. Essas mensagens, por sua vez, desencadeiam a secreção de uma série de hormônios que nos preparam para fugir ou lutar. 
 
Neste momento os músculos estão tensos, os sentidos estão aguçados e estamos em alerta. O sistema de memória também é ativado para tentar recuperar qualquer informação que possa ser útil para sair dessa situação de risco. Dessa maneira, diante de um perigo, a amígdala assume o comando e direciona praticamente toda a mente, inclusive a racional.
 
É claro que tudo em nosso cérebro está pronto para dar a mão à amígdala, já que quando estamos em perigo, nada mais importa. Portanto, a amígdala é a primeira estação cerebral através da qual os sinais dos nossos sentidos, somente depois de avaliados, alcançam o córtex pré-frontal. É por isso que, às vezes, as emoções nos tomam e assumem o controle.
 

Falha em ativar a mente racional

 
Para ocorrer um sequestro emocional, não é suficiente que a amígdala seja ativada, é necessário que ocorra uma falha ao ativar os processos neocorticais que são responsáveis ​​por equilibrar nossas respostas emocionais. Na verdade, a coisa normal é que, quando a mente racional é dominada pela mente emocional, o córtex pré-frontal é ativado para nos ajudar a controlar as emoções e avaliar possíveis soluções.
 
O lobo pré-frontal direito é a sede de sentimentos negativos como medo e agressividade, enquanto o lobo pré-frontal esquerdo mantém eles ancorados, agindo como uma espécie de termostato neural que nos permite regular as emoções desagradáveis. Durante um sequestro emocional, o lobo pré-frontal esquerdo simplesmente deixa as emoções fluírem.
 
 

Um sistema de vigilância neuronal desatualizado

 
Um dos principais problemas deste sistema de alarme neuronal é que o mundo em que vivemos hoje, onde não há sérios perigos que ameaçam nossas vidas, quase nunca é necessário que a amígdala sequestre nosso cérebro. Especialmente se levarmos em conta que quando a amígdala é ativada, faz associações muito grosseiras, com pequenos pedaços de experiências passadas. É por isso que, se uma pessoa desenvolveu medo do som de fogos de artifício, qualquer som semelhante pode desencadear um sequestro emocional. 
 
Na verdade, a resposta emocional do nosso cérebro torna-se ainda mais limitada se considerarmos que muitas das nossas memórias vêm da infância, quando as estruturas como a amígdala e o hipocampo ainda não estavam totalmente amadurecidos e poderiam armazenar informações com excessiva carga emocional. 
 
Tanto é assim que não devemos nos surpreender se algumas de nossas reações emocionais mais intensas são incompreensíveis para nós, já que estas podem ser reflexo de algum tempo na infância, em que o mundo ainda era muito caótico e nem sequer tínhamos adquirido a linguagem. Naquela época, qualquer experiência pode ter sido registrada em uma amígdala imatura como um trauma, que pode ser desencadeado posteriormente por situações semelhantes.


É possível evitar o sequestro emocional?

 
Existem algumas situações em que é praticamente impossível evitar um sequestro emocional. No entanto, isso não significa que devamos nos resignar a ser vítimas passivas de emoções. Pelo contrário, podemos treinar nosso cérebro para aprender a discriminar entre os sinais que realmente representam um perigo e aqueles que não são nocivos.
 
Como fazê-lo?
 

Em primeiro lugar, estar ciente de que a maioria das situações da vida cotidiana podem ser estressantes ou até mesmo assustadoras, mas não representam um perigo real. Portanto, não há necessidade de estar tenso ou com raiva. 

Por outro lado, é necessário praticar o desapego , no sentido de que quanto mais posses considerarmos como parte do nosso “eu”, mais tendência teremos a reagir de maneira exagerada quando estiverem em perigo.

 
Fonte: 
Goleman, Daniel. (1995). Inteligência Emocional. Rio de Janeiro: Objetiva
 

 

 

SHARE
Coordenador de TI e Psicólogo. Resolveu estudar psicologia porque queria entender melhor a mente das pessoas, e embora tenha se decepcionado um pouco com algumas coisas que apreendeu ainda acredita no poder de amar e evoluir do ser humano. Idealizador do Pensamento Líquido. Apaixonado por filmes de terror, seriados, anime e mangás e livros de aventura. Não dispensa uma boa comida e bebida na companhia de amigos, especialmente se for pra curtir um bom e velho rock n roll.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here