Vivemos em tempos que não nos é mais permitido sofrer.

O capitalismo desenfreado e o imediatismo nos compelem a guardar nossas dores em um baú trancado a sete chaves em um sótão escuro no fundo de nossa alma. Um baú que somente abrimos para guardar novas dores.

Você tenta ignorar seu conteúdo negando sua existência, mas ele continua lá, e você vai preenchendo sua vida com seus afazeres, sua família e o seu trabalho. Até que um dia o baú vai estar cheio demais, você vai sentir aparecerem incertezas sobre suas escolhas e sobre o modo como você leva sua vida.

Na solidão de nossa mente percebemos que algo dentro de nós mudou. Não entendemos direito o que é, nem onde se originou.  São tantos sentimentos guardados que eles se misturaram se fundindo numa única nuvem negra de melancolia.

Você vai se sentir perdido, um corpo numa câmara vazia e escura, uma pedra lançada ao fundo do mar. Seus pensamentos irão buscar a lucidez mas só encontrará duvidas, incertezas e um turbilhão de momentos de dor, que farão seu espírito sucumbir a loucura no vazio escuro dessa melancolia.

♫ Quando a poeira baixar
♫ E a vitória for negada
♫ e o paraíso estiver perdido
♫ Nós pagaremos o preço
♫ Mas não contaremos o custo.

E quando sua sanidade finalmente parecer estar lhe abandonando, você irá se lembrar que precisa ser forte um pouquinho mais, pois a nós (principalmente aos homens) é proibido sofrer.

O que nos resta, é esconder nossas lágrimas e seguir em frente

♫ Pois garotos não choram,
♫ Garotos não choram…
 
Músicas:
Rush – Bravado
The Cure – Boys Dont Cry
 
 

SHARE

Coordenador de TI e Psicólogo. Resolveu estudar psicologia porque queria entender melhor a mente das pessoas, e embora tenha se decepcionado um pouco com algumas coisas que apreendeu ainda acredita no poder de amar e evoluir do ser humano. Idealizador do Pensamento Líquido. Apaixonado por filmes de terror, seriados, anime e mangás e livros de aventura. Não dispensa uma boa comida e bebida na companhia de amigos, especialmente se for pra curtir um bom e velho rock n roll. Para saber mais sobre mim… compre um vinho, pegue um ônibus e venha até a minha casa filosofar sobre a vida.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here