Transtorno Dissociativo de Identidade (Transtorno de Personalidade Múltipla)

Cursos Online na área de Ciências Humanas e Sociais

O Transtorno dissociativo de identidade (anteriormente conhecido como distúrbio de personalidade múltipla ou transtorno de múltiplas personalidades) é uma condição psicológica complexa que é provavelmente causada por muitos fatores, incluindo trauma grave durante a primeira infância (abuso físico, sexual ou emocional geralmente extremo, repetitivo).

A maioria de nós já experimentou dissociação leve, que é como sonhar acordado ou se perder no momento, enquanto fazia alguma coisa. No entanto, transtorno dissociativo de identidade é uma forma grave de dissociação, um processo mental que produz uma falta de conexão de uma pessoa em pensamentos, memórias, sentimentos, ações, ou senso de identidade.

O aspecto dissociativo é visto como um mecanismo de enfrentamento – a pessoa literalmente dissocia-se de uma situação ou experiência que é muito violenta, traumática ou dolorosa para assimilar com a sua mente consciente.

 O ‘transtorno de múltiplas personalidades’ realmente existe?

Você pode se perguntar se transtorno dissociativo de identidade é real. Afinal de contas, a compreensão do desenvolvimento de múltiplas personalidades é difícil, mesmo para especialistas altamente treinados. O diagnóstico em si permanece controverso entre profissionais de saúde mental, com alguns especialistas acreditando que ele é realmente um fenômeno de “desdobramento” de um outro problema psiquiátrico, como transtorno de personalidade borderline, ou o produto de profundas dificuldades em lidar com tensões relacionadas com a forma como as pessoas formam relações emocionais com os outros.

Outros tipos de transtornos dissociativos definidos no DSM-5, o principal manual psiquiátrico usado para classificar as doenças mentais, inclui amnésia dissociativa (com “fuga dissociativa”, que agora está sendo considerada como um subtipo de amnésia dissociativa, em vez de seu próprio diagnóstico), e transtorno de despersonalização / desrealização.

Quais são os sintomas de Transtorno dissociativo de identidade?

Transtorno dissociativo de identidade é caracterizado pela presença de duas ou mais identidades distintas ou cisão de estados de personalidade que continuamente têm poder sobre o comportamento da pessoa. Com transtorno dissociativo de identidade, há também uma incapacidade de recordar informações pessoais que é muito séria para ser explicada como mero esquecimento. Com transtorno dissociativo de identidade, há também variações de memória altamente distintas, que flutuam com uma dupla personalidade da pessoa.

Os alter egos ou identidades diferentes têm a sua própria idade, sexo ou raça. Cada um tem suas próprias posturas, gestos e maneira distinta de falar. Às vezes são pessoas imaginárias; Às vezes, são animais. À medida que cada personalidade se revela e controla o comportamento e os pensamentos dos indivíduos, ocorre a chamada “comutação”. A comutação pode demorar alguns segundos a minutos ou dias. Quando sob hipnose, diferentes “alter egos” ou identidades da pessoa podem ser muito sensíveis aos pedidos do terapeuta.

Junto com a dissociação e múltiplas personalidades, pessoas com transtornos dissociativos podem experimentar uma série de outros problemas psiquiátricos, incluindo os seguintes sintomas:

  • Depressão
  • Mudanças de humor
  • Tendências suicidas
  • Os distúrbios do sono ( insônia , terrores noturnos e sonambulismo )
  • Ansiedade , ataques de pânico e fobias (flashbacks, reações a estímulos ou “gatilhos”)
  • Abuso de Álcool e de drogas
  • Compulsões e rituais
  • Sintomas aparentemente psicóticos (incluindo alucinações auditivas e visuais)
  • Distúrbios alimentares

Outros sintomas de transtorno dissociativo de identidade podem incluir dor de cabeça, amnésia, perda de tempo, transes, e “experiências fora do corpo.” Algumas pessoas com transtornos dissociativos têm uma tendência para a autoperseguição, autossabotagem, e mesmo a violência (tanto autoinfligida quanto dirigida para o exterior). Como um exemplo, alguém com transtorno dissociativo de identidade pode encontrar-se fazendo coisas que normalmente não faria, como dirigir em excesso de velocidade, condução imprudente, ou roubar dinheiro de seu empregador ou amigo, mas eles sentem que estão sendo obrigados a fazê-lo. Alguns descrevem esse sentimento como sendo um passageiro em seu corpo, em vez de o motorista. Em outras palavras, eles realmente acreditam que eles não têm escolha.

Como a dissociação altera a forma como uma pessoa experimenta a vida?

Existem várias maneiras principais em que os processos psicológicos de transtorno dissociativo de identidade alteram a forma como uma pessoa experimenta a vida, incluindo:

  • Despersonalização. Sensação de estar separado do corpo e é muitas vezes referida como uma experiência “fora do corpo”.
  • Desrealização. Sentimento de que o mundo não é real.
  • Amnesia. Incapacidade de recordar informações pessoais significativas que é tão extensa que não pode ser responsabilizada por esquecimento normal. Também pode haver micro-amnésias onde a discussão que está ocorrendo não é lembrada, ou o conteúdo de uma conversa significativa é esquecido de um segundo para o outro.
  • Confusão de identidade ou alteração de identidade. Ambos envolvem uma sensação de confusão sobre quem a pessoa é. Um exemplo de confusão de identidade é quando uma pessoa tem problemas para definir as coisas que lhes interessam na vida, ou os seus pontos de vista políticos ou religiosos ou sociais, ou sua orientação sexual , ou suas ambições profissionais. Além destas alterações aparentes, a pessoa pode apresentar distorções no tempo, lugar e situação.

É agora reconhecido que estes estados dissociados não são personalidades totalmente maduras, mas eles representam uma sensação desconexa de identidade. Com a amnésia tipicamente associada com transtorno dissociativo de identidade, diferentes estados de identidade lembram diferentes aspectos da informação autobiográfica. Geralmente, há uma personalidade “hospedeira” dentro do indivíduo, que se identifica com o nome real da pessoa. Ironicamente, a personalidade hospedeira é geralmente inconsciente na presença de outras personalidades.

Que papéis as diferentes personalidades desempenham?

As personalidades distintas podem servir diversos papéis em ajudar o indivíduo a lidar com dilemas da vida. Por exemplo, há uma média de duas a quatro personalidades presentes quando o paciente é diagnosticado inicialmente. Depois, há uma média de 13 a 15 personalidades que podem tornar-se conhecidas ao longo do tratamento. Embora incomum, tem havido casos de transtorno dissociativo de identidade com mais de 100 personalidades. Gatilhos ambientais ou eventos de vida causam uma mudança súbita de um alter ego ou personalidade para outra.

Quem tem transtorno dissociativo de identidade?

Embora as causas do transtorno dissociativo de identidade ainda sejam vagas, a pesquisa indica que é provável uma resposta psicológica às tensões interpessoais e ambientais, particularmente durante primeiros anos da infância, quando negligência emocional ou abuso pode interferir com o desenvolvimento da personalidade.

Dissociação também pode acontecer quando houve negligência persistente ou abuso emocional, mesmo quando não houve abuso físico ou sexual evidente. Os resultados mostram que em famílias onde os pais são assustadores e imprevisíveis, as crianças podem tornar-se dissociativas.

Como o transtorno dissociativo de identidade é diagnosticado?

Fazer o diagnóstico de transtorno dissociativo de identidade leva tempo. Estima-se que os indivíduos com transtornos dissociativos passem 7 anos no sistema de saúde mental antes do diagnóstico preciso. Isto é comum, porque a lista de sintomas de uma desordem dissociativa é muito semelhante a de muitos outros diagnósticos psiquiátricos. Na verdade, muitas pessoas que têm transtornos dissociativos também têm coexistindo diagnósticos de borderline ou outros transtornos de personalidade, depressão e ansiedade.
O DSM-5 oferece os seguintes critérios para o diagnóstico de transtorno dissociativo de identidade:

  1. Duas ou mais identidades distintas ou estados de personalidade estão presentes, cada um com seu próprio padrão relativamente persistente de percepção, relacionamento e pensamento acerca do ambiente e de si.
  2. Amnesia deve ocorrer, definida como lacunas na lembrança de eventos diários, informações pessoais importantes, e / ou eventos traumáticos.
  3. A pessoa deve ser afligida pela doença ou ter dificuldade para viver em uma ou mais áreas importantes da vida por causa da doença.
  4. A perturbação não faz parte das práticas culturais ou religiosas normais.
  5. Os sintomas não podem ser devidos aos efeitos fisiológicos diretos de uma substância (tal como desmaios ou comportamento caótico durante a intoxicação alcoólica) ou de uma condição médica geral (tal como crises parciais complexas).

Quão comum é o transtorno dissociativo de identidade?

As estatísticas mostram que a taxa de transtorno dissociativo de identidade é 0,01% a 1% da população geral. Considerando-se a dissociação de forma mais ampla, mais de um terço das pessoas dizem que sentem como se estivessem se vendo em um filme, por vezes, (isto é, possivelmente, experimentando o fenômeno de dissociação), e 7% por cento da população pode ter alguma forma de um transtorno dissociativo não diagnosticado.

Qual é o plano de tratamento para transtorno dissociativo de identidade?

Enquanto não há nenhuma “cura” para transtorno dissociativo de identidade, o tratamento a longo prazo pode ser útil, se o paciente fica comprometido. O tratamento eficaz inclui a psicoterapia, hipnoterapia e terapias farmacológicas, como a arteterapia. Não há estabelecidos remédios para tratamentos de transtorno dissociativo de identidade. Tratamento de doenças concomitantes, como a depressão ou vício em substâncias, é fundamental para a melhoria global.

Uma vez que os sintomas de transtornos dissociativos muitas vezes ocorrem com outros distúrbios, tais como ansiedade e depressão, os medicamentos para tratar os problemas concomitantes, caso estejam presentes, são por vezes usados em adição à psicoterapia.

Fonte: http://psicoativo.com

 

Deixe um comentário

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui