paixao_amor_relacionamento

A paixão é como um encanto, arrebata, cega. A paixão é uma modificação emocional, mas também orgânica, pois a taxa de hormônios se altera. Devido a essas alterações, a paixão tem prazo para acabar.. A paixão dura em média dois anos. Depois os casais se separam ou continuam, a partir de uma vivência mais duradoura, o amor.

Todavia,  o relacionamento sofre sua prova de fogo, porque cada um dos membros do casal começa a enxergar o outro da forma como realmente é, descobrindo os defeitos. Uns chegam a dizer: “ele mudou tanto, no início do namoro não era assim…”. Nesse ponto da estrada do amor, cabe a cada membro do casal colocar os defeitos e as qualidades do ser amado em uma balança, avaliando o que tem mais peso e, caso os defeitos pesem mais, é importante que o casal avalie se é possível suportar esse peso.

Muitos cônjuges nessa etapa não avaliam adequadamente, sendo muito benevolentes, dizendo a si e aos outros que suportam os defeitos do ser amado, mas acabam se colocando em sofrimento. O sofrimento, a princípio, pode não ser tão grande, porém, a longo prazo, vai se tornando tóxico. O casal pode, dessa forma, estar vivendo uma relação amorosa adoecida, em que um sofre e o outro faz sofrer, tendo como pano de fundo a ilusão de estarem vivendo um Amor.

O caminho das relações amorosas satisfatórias pode ser muitos, mas um deles é o caminho da reflexão sobre suas vivências anteriores ao relacionamento. O que deu certo e o que não deu certo. Outro, refletir sobre o que de sua família está sendo reproduzido em seus relacionamentos e o está atrapalhando.

As chaves da mudança estão em perceber os comportamentos e pensamentos distorcidos que podem acompanhar a vivência do amor e na tentativa de modificar tais distorções. Dessa forma, aprendendo novas e mais sadias e satisfatórias formas de vivenciar o amor em sua relação afetiva.

Compartilhar
Maria Luiza Rodrigues
Maria Luiza Rodrigues é Psicóloga (CRP 07/19741) graduada pela PUCRS, autora da página Psicologia em Palavras Simples, atua na área da Psicologia Clínica com grupos terapêuticos e atendimentos individuais na modalidade presencial e on line. Também atua no serviço público na cidade de Porto Alegre como auxiliar técnica( monitora) há 25 anos, tendo passado pelas áreas da assistência social com foco em moradores rua e atualmente estando na área da saúde( CAPS AD) com foco no tratamento da dependência química.

3 Comentários

  1. Apreciei muito a clareza e a objetividade com que os temas são abordados .Parabéns por tua iniciativa !! Sou teu fã e vou compartilhar .

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Insira seu nome aqui