Numa visão superficial da obra freudiana, a conceptualização do amor pode ser facilmente mal interpretada. Se não for pesquisado de forma cuidadosa o conceito pode tomar uma proporção um tanto quanto rasa. Isso, pois, é encontrada frequentemente coincidindo com o termo libido, se restringindo no desejo que se sente por alguém, ou algo. Uma tendência do funcionamento mental a se pronunciar em direção ao objeto de desejo, a pulsão de vida descrita por Freud. Eros, o deus do amor na mitologia grega, serve como ilustração. Entretanto, o autor que aqui escreve procura desenvolver um quadro que inclui o amor como sendo certa capacidade que guarda a característica do desenvolvimento.

Ainda que oriunda desse mesmo desejo (libido), entretanto, enquanto amor, não permanece meramente como desejo que se pronuncia em direção a um objeto ou a si mesmo (narcisismo), mas que evolui como inclinação em acolher esse objeto e contê-lo. O ‘amar’: aquela que talvez esteja (assim como a sinceridade) entre as mais sublimes capacidades que um ser humano pode desenvolver, pode nascer do desejo, mas desse estágio deve evoluir. Isso considerando que estamos diante da nomeação de certa experiência que está disposta ao desenvolvimento dentro de uma graduação evolutiva, onde, mediante a um ambiente propicio, tende a expandir-se pra além de sua forma original.

Partindo de suas formas mais toscas e rudes, até tomar configuração mais alargada, mais elevada e por isso desenvolvendo características nobres. Cada evolução dessa experiência confere então uma nova nomeação que adequará a relação entre conceito e experiência.

Na ausência desse desejo do qual Freud chamou de Eros e que aqui elegemos como protótipo de amor e é responsável pela integração das partes, o que se apresenta é a quietude ilustrada na teoria freudiana, por Thânatos, que conduz a dissociação das partes.

Leia também: Eros e Thanatos: “Instintos” de vida e morte de Freud

Um processo de involução, uma ação defensiva de retirada do amor do objeto e redirecionando-o para si mesmo. Duas tendências: amor do outro e amor do eu, vivendo e convivendo no funcionamento da mente humana, em suas experiências afetivas. O desejo, ora bruto e egoísta, seria aqui um protótipo do que um dia poderia, adequadamente ser chamado de amor. Isso se for irrigado de afeto, dentro de um ambiente acolhedor e podendo se desfazer de sua forma antiga, na proposta de um novo modelo mais evoluído, ungido da capacidade de tolerar frustrações.

SHARE
Renato Dias Martino
Psicoterapeuta, escritor e professor de teoria psicanalítica, desenvolvimento da personalidade além de coordenar grupos de estudo na introdução à psicanálise, baseando-se nas correntes psicanalíticas de Freud, Klein, Winnicott e Bion, como principal instrumento. Autor dos livros: "Para Além da Clínica" (2011), “Primeiros Passos Rumo à Psicanálise” (2012), “O amor e a Expansão do Pensar: Das perspectivas dos vínculos no desenvolvimento da capacidade reflexiva” e “O Livro do Desapego”(2015).

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here