A humanidade lutou contra muitas adversidades para chegar até este presente momento e ainda continua com imensas batalhas, tentando compreender o mundo que nos cerca a fim de que possamos viver melhor. A existência humana é repleta de desafios e, por vencermos uma série deles, ainda estamos habitando o nosso planeta. Vencer esses desafios significa solucionar problemas. Então, eles fazem parte natural de nossa existência humana e resolvê-los é crucial.

Em alguns momentos da vida, tudo parece uma grande confusão, estamos cansados, tristes e deixamos os problemas acumularem-se por não sabermos o que fazer, por onde começar.

Então, é necessário utilizar algumas estratégias de resolução de problemas. Bem, em primeiro lugar, tentar ficar o mais calmo possível a fim de poder definir o problema. Para isso, fazer uma lista daquilo que lhe preocupa e tem de ser resolvido é importante e lhe ajudará a enxergar melhor a sua realidade.

Assim, deixa o problema da forma mais clara possível, examinando se ele é seu mesmo ou é de outro e acaba lhe deixando preocupado. Então, é possível separá-los quanto a sua urgência de resolução e você começa por aqueles mais urgentes e vai resolvendo os não tão urgentes no decorrer do tempo. Mas lembre: não procrastine! Ataque nesse ponto!

Muitos dirão: Ai, mas que simples…ah tá! De fato, é mais complicadinho do que parece? Mas será mesmo? Afinal, o que nos impede de resolvermos nossos problemas?

Por vezes, podemos ser acometidos de um comprometimento cognitivo, como de processamento da informação de forma mais lenta, dificuldade de atenção, memória e outros. Podemos também estar sobrecarregados emocionalmente com ansiedade, tristeza, desilusões, pois a vida não é fácil, bem sabemos.

Ocorre uma terceira possibilidade que diz respeito ao nosso pensar, ou seja, como “enxergamos” os eventos que nos cercam? Somos otimistas ou negativistas? Pensamos sempre o pior? Pensamos: agora ou nunca? Se der tudo errado, mato-me? Uma autocrítica severa? Onde o sujeito não se perdoa nos menores erros?

A psicologia cognitivo-comportamental pode oferecer ferramentas a partir da psicoterapia na qual o paciente com a ajuda de seu terapeuta monitora seus pensamentos e a forma como encara cada desafio. Pensamentos automáticos são identificados (aquilo que primeiro lhe vem à mente quando os eventos acontecem) e, justamente, são esses pensamentos rígidos e, por conseguinte, inadequados para a situação real que se apresentam quando se precisa resolver problemas, acarretando o empecilho à resolução.

Quando o pensamento consegue ser treinado para fazer outras interpretações sobre os fatos e suas consequências, aumenta a flexibilidade de pensamento e a visão das possibilidades antes não percebidas.

Essa técnica, devido à intrincada rede de nosso pensar, é mais eficaz se guiada por um terapeuta, pois, em princípio, não temos clareza sobre como pensamos, apenas pensamos. O profissional da Psicologia poderá lhe auxiliar nesse processo de descoberta.

A técnica de resolução de problemas não é uma varinha mágica ou uma técnica a priori de autoajuda. A técnica de resolução de problemas é uma ferramenta que auxilia muito o encaminhamento para uma resolução ou para aceitação daquilo que não pode ser mudado em nossas vidas.

Compartilhar
Maria Luiza Rodrigues
Maria Luiza Rodrigues é Psicóloga (CRP 07/19741) graduada pela PUCRS, autora da página Psicologia em Palavras Simples, atua na área da Psicologia Clínica com grupos terapêuticos e atendimentos individuais na modalidade presencial e on line. Também atua no serviço público na cidade de Porto Alegre como auxiliar técnica( monitora) há 25 anos, tendo passado pelas áreas da assistência social com foco em moradores rua e atualmente estando na área da saúde( CAPS AD) com foco no tratamento da dependência química.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Insira seu nome aqui