personalidade ecoista

Na mitologia grega, Narciso era um jovem bonito de quem todas as mulheres jovens se apaixonaram. Echo, uma ninfa condenada a repetir as últimas palavras que ouviu, também se apaixonou por ele. Um dia, incapaz de expressar seu amor por Narciso com palavras, ela queria abraçá-lo para mostrar seus sentimentos, mas ele cruelmente a rejeitou. A deusa Nemesis puniu Narciso por sua presunção, fazendo-o se apaixonar por seu próprio reflexo. Incapaz de parar de olhar para sua imagem, Narciso caiu na água, absorvido em seu reflexo.

A psicologia foi inspirada por esse mito para dar nome à personalidade narcisista , mas todos esqueceram a ninfa de Eco. Pelo menos até agora. O psicólogo americano Craig Malkin era fascinado pelo papel de Eco porque representava a antítese do narcisismo, e encontrou semelhanças com características que mostram algumas pessoas, então ele se dedicou a investigar o que ele chamou de personalidade ecoísta.

O que é ecoísmo? 

Ecoísmo é um traço de personalidade, o que significa que, em maior ou menor grau, pode estar presente em todos nós. Basicamente, é um medo profundo de ser percebido como narcisista. Os narcisistas são “viciados” em sentir-se especiais, mas os ecoístas, por outro lado, não querem que os outros os façam sentir-se especiais. Quando isso acontece, eles podem se sentir muito desconfortáveis ​​ou mesmo com raiva.

Em alguns casos, o desejo de passar despercebido e o desconforto ao receber o louvor é tão grande que podemos nos referir a ela como uma pessoa ecoísta propriamente dita, sendo que esse traço de personalidade prevalecem sobre os outros e molda profundamente as atitudes e comportamento da pessoa.

O ecoísmo não é modéstia, mas o medo de projetar para os outros uma imagem egocêntrica, narcísica e egoísta que provoca rejeição e crítica. Como resultado, essa pessoa tenta silenciar completamente o seu “eu”.

personalidade ecoista

Cinco características da eco-personalidade 

 1. Medo de sentir-se especial 

A eco-personalidade teme ser vista como vaidosa ou monopolizar os olhos dos outros, mesmo por boas razões. O traço característico dos ecoístas é o medo de projetar uma imagem narcisista, para parecer demasiado cheio de si. Como resultado, muitas vezes se sentem desconfortáveis ​​quando recebem atenção, especialmente se for positivo. Portanto, essas pessoas preferem passar despercebidas.

2. Sensibilidade emocional extrema 

O ecoísmo está profundamente relacionado à sensibilidade emocional. É comum que essas pessoas mostrem desde o nascimento uma sensibilidade extrema. Sendo tão sensível, eles se sentem muito envergonhados quando são punidos ou repreendidos. De fato, é hipotetizado que o ecoísmo é um tipo de introversão defensiva. Essas pessoas pensam: “se você não me notar, não pode me humilhar, me embaraçar ou me machucar”.

3. Repressão de necessidades 

As pessoas ecoístas também têm medo de se tornar um fardo para os outros, na medida em que chegam a esconder suas necessidades e geralmente não expressam seus desejos. No fundo, eles acreditam que, para conquistar o amor dos outros, devem exigir o mínimo possível e dar o melhor de si. Isso os leva a negligenciar suas necessidades, entregando-se demais aos outros, o que geralmente gera insatisfação e infelicidade, já que suas necessidades emocionais continuam a existir, mas não são atendidas.

4. Baixa autoestima

A eco-personalidade tem sido associada à baixa autoestima. Sentir-se especial ou pensar que eles não são dignos de serem levados em consideração implica uma imagem negativa de si mesmos. Essa falta de confiança em suas habilidades se torna uma profecia autorrealizável, de modo que essas pessoas raramente ousam empreender projetos ou perseguir seus sonhos. Eles têm tão pouco amor próprio que a vida acaba devorando-os.

5. Dificuldade em saber o que eles querem 

As eco-pessoas dedicam tanto esforço para satisfazer as necessidades dos outros e esconder seus desejos, que podem perder a conexão com o seu “eu”, de modo que se alguém lhes pergunta o que eles querem, eles podem se sentir perdidos. Essa incapacidade de se conectar com suas necessidades aumenta a probabilidade de desenvolverem uma dependência emocional dos outros, o que é exatamente o que pretendem evitar.
personalidade ecoista

Como se forma a personalidade ecoísta? 

Ecoísmo não é um distúrbio psicológico, mas um traço de personalidade desenvolvido como resultado da implementação de uma estratégia de sobrevivência. Em algum momento de sua infância, essas pessoas pensavam que, para serem amadas, deveriam se preocupar em incomodar os outros o mínimo possível.

Se pais narcisistas condicionam seu amor ao fato de que seus filhos os incomodam o mínimo possível, eles podem criar a base para uma personalidade ecoísta. No entanto, o mais comum é que é um padrão de resposta imitado. Ou seja, a eco-personalidade é o resultado de uma eco-educação. Alguns eco-pais transmitiram que esse medo é especial. Se os pais punirem o orgulho normal que as crianças podem experimentar por suas realizações e taxa-las como arrogantes e egoístas, poderão estar estimulando uma atitude ecoísta mais tarde na vida.

Sabe-se também que as pessoas que são muito sensíveis às críticas podem ter maior probabilidade de desenvolver esse traço de personalidade. Essas pessoas escondem suas necessidades com a esperança de que, exigindo tão pouco, outras pessoas as aceitem e as amem. Eles não buscam aceitação e amor através de suas qualidades positivas, mas anulando a si mesmos.

Nessa perspectiva, o ecoísmo é um mecanismo de introversão defensiva que geralmente surge do sentimento de culpa por ter sido ao mesmo tempo “exigente” ou “difícil de agradar”. Assim, a pessoa ecoísta aprendeu a sobreviver, ecoando as necessidades de outras pessoas.

Quais são as consequências do ecoísmo? 

As pessoas ecoístas oferecem uma imagem de grande bondade, compreensão e boa vontade, mas dar continuamente sem receber nada em troca é exaustivo. Na verdade, essas pessoas acabam muitas vezes em relacionamentos dependentes com pessoas narcisistas, o que cria um profundo desequilíbrio nessa troca necessária entre dar e receber.

Como resultado de adiar continuamente suas necessidades por medo de ser recriminado, a pessoa ecoísta sentirá um crescente vácuo interior. Muitas vezes ela também se sente como se estivesse andando sobre um tapete de ovos, com medo de cometer erros a cada passo, o que aumenta seu estado de tensão constante.

A falta de autoestima também pode levá-la a se limitar a uma pequena zona de conforto que não ousa sair por medo de se destacar e atrair atenção. Isso a resume em um círculo vicioso: ela se sente insatisfeita, mas “não pode” fazer nada para satisfazer suas necessidades.

Como superar o ecoísmo? 

A ideia de que você deve dar tudo sem pedir nada em troca, sempre colocando as necessidades dos outros nas suas, leva à anulação do “eu”. Portanto, é necessário encontrar um equilíbrio saudável entre as próprias necessidades e as dos outros, entre dar e receber.

Não há nada de errado em ter orgulho de um trabalho bem feito e receber elogios por isso. Também não há nada de errado em ter nossos próprios sonhos e nos esforçarmos para alcançá-los. Todos e cada um de nós é especial de uma maneira diferente.

Tentar entender de onde vem essa recusa em afirmar seus direitos e necessidades também o ajudará a superar esse medo de reconhecimento. Olhe para trás e tente encontrar os primeiros episódios em que você teve medo de ser reconhecido. Procure por suas causas. Entender a origem do ecoísmo ajudará você a entender que não precisa arrastar suas reações e medos do passado por toda a sua vida.

Traduzido e adaptado de: https://www.rinconpsicologia.com
Gostou do artigo? gostaria de se aprofundar mais na tematica?
Compartilhar
Avatar
Psicólogo. Idealizador do Pensamento Líquido. Apaixonado por filmes de terror, seriados, animes, mangás e livros de aventura. Não dispensa uma boa comida e bebida na companhia de amigos, especialmente se for pra curtir um bom e velho rock n roll.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Insira seu nome aqui